AIDS

18 jul AIDS

AIDS : O vírus que pode ser visto ou não em pessoas com HIV, pode também permanecer latente, numa forma hibernante, sem dar as manifestações da mesma

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”aids como age o virus ” />aids como age o vireus

AIDS – Existem fatores prevalecentes que explicam a rápida evolução de uma pessoa HIV + para AIDS, sabendo que ainda uma pessoa pode ter AIDS sem ter o HIV habitual.
Muitas vezes um grave estresse psicológico agudo por ter sido diagnosticado “HIV Positivo” é rapidamente transformado num estresse crônico psicológico, com medo de viver, por uma previsão de piora terrível.
Isto faz uma supressão perigosa do sistema imunitário.
Este efeito imunossupressor por estresse psicológico crônico é bem documentado em estudos científicos e também é uma parte comum na experiência da maioria das pessoas (7).
Além disso, as pessoas são mais propensas a ser testadas para o HIV quando já há algum problema de saúde, de modo que o stress psicológico adiciona-se significativamente devido ao conhecimento de ser portador.

AIDS

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”aids antibiticos ” />aids antibioticos

b) Antibióticos e anti-retrovirais têm frequentemente efeitos secundários debilitantes que são facilmente atribuídos a HIV, incluindo a supressão imune.
Talvez mais significativamente, eles levam a uma ruptura completa da nossa flora microbiana normal.
O equilíbrio saudável da flora em nosso trato gastrointestinal e em outros lugares é um dos nossos protetores mais importantes contra as infecções.
Ademais, estes antibióticos também muitas vezes podem conduzir ao desenvolvimento de multi resistentes estirpes de bactérias, fungos e vírus.

AIDS

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”aids sistema ” />aids e seus sistema

c) Quando o sistema imunológico começa a ceder sob a tensão do estresse emocional, havendo problemas de saúde anteriores (se houver algum), e ruptura de defesas naturais, o diagnóstico de SIDA é feito.
Então, a pessoa é orientada para tomar anti-retrovirais. Mas, mais e mais pessoas estão sendo colocadas sob essas drogas, quando elas ainda são saudáveis e não foram diagnosticados com “AIDS”.

AIDS

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”aids virus” />aids virus

d) Os novos “cocktails” devem ser dados até que o paciente morre, sem exceções, se possível.
Isto é devido a teoria de que mutante, resistente à droga, HIV irá prosperar se ficar fora de seu tratamento.
Os pacientes que abandonam o tratamento “anti-retroviral”, então, teoricamente, são uma ameaça à saúde pública porque podem infectar outras pessoas com o seu “HIV mutante”.
Assim, além de considerar a sua própria saúde, o paciente tem uma maior responsabilidade social para ficar no “coquetel”.

 

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”aids sintomas ” />aids e seus sintomas

Quando a saúde do paciente começa a falhar, a falha é responsabilizada como sendo dos efeitos da “mutação do HIV”, possivelmente devido aos pacientes “cumprirem pouco”.
Algumas pessoas parecem responder bem (pelo menos temporariamente) a estes “esquemas anti-retrovirais”.
As razões para isto não são muito claras.
A idéia de que cepas mutantes de HIV são capazes de causar problemas de saúde foi completamente refutada pelo trabalho de David Rasnick, que publicou seus resultados no Journal of Biological Chemistry
Assim, a diminuição da resistência verificada na maioria dos pacientes não é devido a “HIV mutante”, mas sim pelos fatores psicológicos e de disbiose intestinal anteriormente citados.

 

Terapia com Suplementos:

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”aids terapia e suplementos” />aids terapia e suplentos

A pesquisa do Dr. Harold Foster demonstra que, como HIV-1 replica ele remove selênio, cisteína, glutamina e triptofano de indivíduos soropositivos.
O tratamento do HIV e SIDA pode, portanto, incluir a utilização dos seguintes suplementos:
glutationa
glutationa peroxidase
Selênio
cisteína
glutamina
triptofano
Sabendo que devemos fortalecer a imunidade, podem ser indicados:
Taurina
Lisina
Prolina
Vitaminas C, D3, E, ác. fólico e outros
Zinco
magnésio
Potássio quelato
Outros suplementos, associados podem ser indicados para deter a ação viral e/ou sua replicação, entre outros:
EPA
Ômega 3
Quebra-pedras
Guaçatonga
Zedoária
Resveratrol
Aloe vera

 Demais Tratamentos (Técnicas complementares):  

<img src=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif” alt=”aids demais tratamentos” />aids demais tratamentos

Existem ainda inúmeros relatos clínicos e dados científicos de melhora da evolução de quadros de AIDS, através da associação da homeopatia e acupuntura, devendo ser usadas somente sob a supervisão, e/ou consulta de um profissional de saúde qualificado.
Lembrando ainda que com essas associações ocorre uma melhora no perfil imunológico, psíquico e progressiva redução da carga viral.
Claro que essas e demais possibilidades devem antes ser checadas através de dados clínicos, anamnese completa, além de exames complementares, podendo incluir o eletro-escaneamento, microscopia e a bio-ressonância, para termos certeza das melhores opções terapêuticas.
E também sem nos esquecermos dos fatores predisponentes, ou desencadeantes que levaram a este quadro clínico, o que pode requerer o acompanhamento de demais especialistas.
 Assim como em qualquer doença crônica vale a pena lembrar a importância de cuidarmos do Sono, da Alimentação, da Atividade Física, dos Fatores pH, do Eixo e mesmo da Sexualidade.

                                                 

Agende uma consulta!

Entre em contato conosco nos seguintes telefones: 3889-0273/5549-7651 ou se preferir, mande um e-mail para clement.hajian@gmail.com

 
<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”aids referencias biograficas ”/aids e suas referencias biobiograficas

Referências:
1) http://orthomolecular.org/
2) These studies of T-cell damage are part of a comprehensive discussion of the extreme toxicity of these drugs. Pharmacology and Therapeutics 1992; Volume 55: 201-277.
3) Annals of Hematology 1994; Volume 69: 135-138.
4) New England Journal of Medicine. 1990; 322(16): 1098-1105.
5) Neurology. 1994;Volume 44: 1892 -1900.
6) Science. November 21, 1997; 278: 1399-1400.
7) Ader R, Felten DL & Cohen N. Psychoneuroimmunology. Second Edition. San Diego: Academic Press, 1991
8) Kolliadin V., DESTRUCTION OF NORMAL RESIDENT MICROFLORA AS THE MAIN CAUSE OF AIDS, Aug. 1996 http://www.virusmyth.com/aids/data/vkmicro.htm
9) New England Journal of Medicine 1992; 326: 437-443 10) http://en.wikipedia.org/wiki/Orthomolecular_medicine
10) http://www.orthomolecularhealth.com/health-conditions/hiv-aids/

 

Sem Comentários

Deixe um Comentário