Autismo

17 jan Autismo

Autismo : Inúmeros fatores genéticos, alimentares, ou ambientais podem levar ao espectro autista,  mas graças a detecção, eliminação dos intoxicantes e modulação epigenética o autista pode ser melhor tratado.

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”autismo”/autismo

Autismo segundo estudo:
O autor do estudo, o professor Avi Reichenberg afirma:
” Da mesma forma que existem vários fatores a se considerar como os genéticos, é provável que hajam muito mais fatores ambientais diferentes que contribuem ao desenvolvimento do autismo. “

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”autismo”/autismo

Meta-análise prova que o ambiente desempenha um papel fundamental Os registros médicos de mais de 100 milhões de pessoas vivendo em os EUA foram examinados por pesquisadores da Universidade de Chicago. Sua análise revelou que o autismo, a deficiência intelectual correlacionadas entre outros, com malformações genitais estavam diretamente ligados à exposição a fatores ambientais prejudiciais durante o desenvolvimento congênito.

 

Vários sintomas aparecem na criança com autismo incluindo:

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”autismo”/autismo

Déficit de atenção, coordenação, sensoriais, auditivos, cogmitivos além de ansiedade, depressão, compulsões e alterações ao exame laboratorial.
Chumbo, mercúrio e outras toxinas foram demonstrados estarem ligados ao autismo.
Dr. Philip Landrigan do Centro de Saúde Ambiental das Crianças no Sinai School of Medicine Mount, identificou as toxinas que estão ligadas ao autismo, ADHD, dislexia e outras deficiências cognitivas.
Entre os infratores estão, principalmente: chumbo, o metilmercúrio, bifenis policlorados, arsênico, tolueno, manganês, fluoreto, clorpirifos, diclorodifeniltricloroetano, tetracloroetileno, os éteres difenil-polibromados entre outros.
Dr. Landrigan acredita que há ainda mais neurointoxicantes que estão relacionados e afirma que os produtos químicos não testados não deve ser presumidos serem seguros para o desenvolvimento do cérebro.

 

Como toxinas ambientais causam o autismo?

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”autismo”/autismo

Existem várias possibilidades. Em primeiro lugar, em crianças que têm genes predispostos que entram em contato com estes produtos tendem ao autismo herdado, mostrando que a exposição à toxinas ambientais podem induzir esses genes para serem ativados. Isso pode acontecer no útero ou durante os primeiros anos de vida.
Uma segunda possibilidade é que a exposição a esses produtos químicos leva a alterações genéticas espontâneas chamadas de ‘novas mutações’ sendo que parte destas foram detectadas em crianças com autismo.

 

 Autismo e tratamentos propostos:

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”autismo”/autismo

-Detecção e orientação gerais para evitar contato com com contaminantes, ou intoxicantes.
-Desintoxicação geral e específica, de acordo com os achados de exames e pela bio-ressonância.
-Antioxidação, acetilação, ou metilação a depender de cada indivíduo e fase correspondente.
-Fortalecimento de órgãos internos tendo alvos principais o Fígado, o Sistema Nervoso Central e Rins.
-Terapia cognitivo-comportamental
-Determinação de ervas, alimentos e homeopatias com atuação ao nível epigenético, detectados com a ajuda da bio-ressonância.

 

Demais Tratamentos (Técnicas complementares):

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”autismo”/autismo

Claro que essas e demais possibilidades devem antes ser checadas através de: -dados clínicos,
-anamnese completa,
-além de exames complementares,
-podendo incluir o eletro-escaneamento, microscopia e a bio-ressonância, para termos certeza das melhores opções terapêuticas.                                 Assim como em qualquer doença crônica vale a pena lembrar a importância de cuidarmos do Sono, da Alimentação, da Atividade Física, dos Fatores pH, do Eixo e mesmo da Sexualidade.

 

Agende uma consulta!

Entre em contato conosco nos seguintes telefones: 3889-0273/5549-7651 ou se preferir, mande um e-mail para clement.hajian@gmail.com

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”autismo”/autismo

Referências:
http://orthomolecular.org/
http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=1866100
http://www.webmd.com/news/20140313/more-evidence-environmental-exposures-contribute-to-autism
http://www.thelancet.com/journals/laneur/article/PIIS147

 

Sem Comentários

Deixe um Comentário