Lyme Doença

02 fev Lyme Doença

 Lyme é conhecida por ser uma doença incapacitante, e que afeta todos os tecidos e sistemas de órgãos no corpo. Isso faz com que ocorra uma ampla gama de sintomas: fadiga e dores articulares crônicas, disfunção imunológica, doenças neurológicas até a morte.

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

As Borrelias – Bb (agentes habitualmente envolvidos) são difíceis de isolar, crescer e estudar em laboratório. Existem cinco subespécies de Bb, mais de 100 linhagens nos EUA, e 300 cepas de todo o mundo. Além disso, existe pleomorfismo, o que dificulta identificar a presença, ou não da Bb. Esta diversidade é apontada em contribuir para a sua capacidade de iludir o sistema imunológico e aos antibióticos, levando a infecção crônica.

                     

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

Os estágios da Lyme variam com o tempo de contaminação:
1- Eritema migrans na pele e cefaléia até o 1º mês
2- Sintomas de forte gripe juntamente com artralgias, dores mais intensas, no 4 meses seguintes
3- Artrites, fibromialgia, perda de memória, déficit neurológico, quando cronifica afeta todos os tecidos e todos os órgãos principais do corpo.

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

Clinicamente, quando crônico cursa com:
– Artralgia crônica (dor nas articulações),
– Fibromialgia (inflamação e dor em tecido conjuntivo fibroso e muscular), Fadiga crônica,
– Confusão mental,
– Disfunção imunológica e
– Doenças neurológicas.
– A doença de Lyme pode mesmo ser fatal em casos graves.

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

No coração, a Lyme pode cursar com arritmias, até insuficiência cardíaca.

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

 

Terapia com Suplementos – Lyme:

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

Indicados a partir de dados obtidos pela clínica, exames complementares e corroborados pela bio-ressonância.
Aqui apenas mais alguns exemplos:
– Zinco quelato
– S. boulardii (em combinação com outras estirpes probióticas compatível) é uma levedura não patogénico que está documentado para apoiar a flora gastrointestinal normal durante a terapia com antibióticos.
– Probiótico misto, com entre 5 bilhões e 50 bilhões de organismos dia, conforme indicado pelo seu prestador de cuidados de saúde.
– Magnésio, entre 500 a 1000 mg por dia.
Escolha uma forma de magnésio mostraram ter alta absorção, ou conforme indicado pelo seu médico.
– Vitamina A (como carotenóides mistos):
vitamina A e carotenóides mistos têm sido mostrados para desempenhar uma função vital na promoção da função imune do corpo e capacidade de lutar contra a invasão
– Uso da ALC, AAL ou NAC caso haja lesão de SNA, ou periférico
– Vitaminas do complexo B

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

Aqui mais alguns exemplos:
– Teasel Root (Dipsacus sylvestris)
– Barberry (Berberis vulgaris)
– Morinda citrifolia – extrato
– Artemisinina, ou extrato de Artemisia vulgaris, ou absinthum
– Andrographis paniculata
– Smilax glabra (salsaparrilha)
– Stephania Root (Stephania tetrandra e S.cepharantha)
– Teasel root
– Cardus marianus
– Para artrites: Cúrcuma, urtiga, Colchicum autumnale e Daemon claw
– Usar polygonum, smilax e andrographis cedo
– Palm Saw palmeto, chá verde juntamente com a curcumina, andrographis, resveratrol, smilax, unha de gato, e Stephania podem ser usados após a confirmação de sua ação para cada caso.
Claro que essas e demais possibilidades devem antes ser checadas através de dados clínicos, anamnese completa, além de exames complementares, podendo incluir o eletro-escaneamento, microscopia e a bio-ressonância, para termos certeza das melhores opções terapêuticas.
E também sem nos esquecermos dos fatores predisponentes, ou desencadeantes que levaram a este quadro clínico, o que pode requerer o acompanhamento de especialistas.

Demais Tratamentos (Técnicas Complementares):

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

Existem inúmeros relatos clínicos e dados científicos de melhora da evolução da doença  através da associação de ervas, homeopatia e acupuntura, devendo ser usadas somente sob a supervisão, e/ou consulta de um profissional de saúde qualificado.
– Exercício: Mesmo pequenas concentrações de oxigénio podem ajudar a destruir as bactérias no corpo.
– Uma dieta de baixo índice glicêmico é uma necessidade porque os carboidratos, como açúcar, abastecem as Bb.
Isso significa evitar a maioria dos alimentos processados, refinados, ou qualquer adição de açúcar e altas doses de vitamina C EV podem fazer uma grande diferença quando se trata de doença de Lyme em casos avançados.
ALGUMAS ERVAS INDICADAS:
– Astragalus (Astragalus membranoceous)
– Japanese Knotweed (Polygonum cuspidatum)
– Stinging Nettle (Urtica dioica)
– Rosavin (Siberian rhodiola rosea)
– Cat’s Claw (Uncaria tomentosa), ou Unha de Gato

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

Assim como em qualquer doença crônica vale a pena lembrar a importância de cuidarmos do Sono, da Alimentação, da Atividade Física, dos Fatores pH, do Eixo e mesmo da Sexualidade.

 

Agende uma consulta!

Entre em contato conosco nos seguintes telefones: 3889-0273/5549-7651 ou se preferir,
mande um e-mail para clement.hajian@gmail.com

 

<imgsrc=”http://http://www.criesaude.com/imagem.gif”alt=”lyme”/lyme

Referências:
http://orthomolecular.org/nutrients/vitamins.shtml
– http://orthomolecular.org/nutrients/micronutrients.shtml
http://faculty.ccbcmd.edu/courses/bio141/labmanua/lab7/bburgdorf_darkfield.html
– http://www.rodale.com/lyme-disease-treatment
– http://fiveelementhealing.net/in-depth-healing-strategies-for-lyme-disease-new/
– http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2009/08/04/dr-klinghardts-treatment-of-lyme-disease.aspx
http://www.nutramedix.ec/pdfs/CAMResearch%20Article.pdf
– http://www.institutefornaturalhealing.com/2015/10/this-amino-acid-reverses-nerve-damage/
– http://orthomolecular.org/nutrients/proteins.shtml
– http://orthomolecular.org/nutrients/fats.shtml
– Acessados em 22-3-2015 às 10:30hs

 

Sem Comentários

Deixe um Comentário