Acidente Vascular Cerebral (AVC)

28 Maio Acidente Vascular Cerebral (AVC)

De acordo com o National Stroke Association, acidente vascular cerebral é a terceira principal causa de morte nos Estados Unidos. O tipo mais comum de acidente vascular cerebral é chamado de “AVC isquêmico”.

Preventivamente devemos ver aos sinais agudos de suspeita de um AVC, como: – Fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo – Confusão, alteração da fala ou compreensão – Alteração na visão (em um ou ambos os olhos) – Alteração do equilíbrio, na coordenação ou alteração no andar – Dor de cabeça súbita, intensa, sem causa aparente. Caso haja suspeita de AVC, caracterizar pelo início súbito de qualquer um dos sintomas acima o doente deve ser encaminhado, imediatamente, para um hospital, ou então devemos chamar o SAMU urgentemente (Tel.:192). Uma série de fatores está por trás do aumento de AVC e mais em mulheres: – Aumento das taxas de obesidade; – Deficiência de vitamina D, devido à falta de exposição ao sol; – Aumento da prevalência de níveis elevados de açúcar no sangue.  AVCs ocorrem normalmente sem qualquer aviso. É por isso que a prevenção é tão importante. A maioria de casos de AVC é similar a um ataque cardíaco, a única diferença é que o coágulo bloqueia o fluxo de sangue para o cérebro, em vez de seu coração. É imperativo valer-nos da medicina de emergência convencional, pois existem medicamentos de emergência que podem realmente dissolver um coágulo que está bloqueando o fluxo de sangue para o cérebro, mas se feito de forma rápida. Para ser eficaz geralmente você precisa se tratado(a) dentro de uma hora. Para evitar um AVC, primeiro cuide de sua dieta.

  • A carne de animais alimentados com pastagem, ou de criação livre não são em geral associadas com os efeitos adversos à saúde que você vê na carne de animais confinados.
  • Sal natural não refinado (grosso ou marinho naturais) é muito importante para uma variedade de processos biológicos, portanto, com benefícios que podem compensar os malefícios do sal refinado.
  • Gorduras Trans: Devem ser evitadas e isso inclui: biscoitos, batatas fritas, a maioria dos assados, e quaisquer alimentos fritos, só para citar alguns exemplos. 
  • Cuidado com carnes defumadas e processadas, como: cachorros-quentes, bacon, salame e outras carnes processadas.
  • Escolha carnes orgânicas que são alimentados com pastagem ou de criação livre.
  • Escolha variedades que dizem 100%, 100% carne de frango etc.. 
  • Evite alimentos que contenham MSG, xarope de milho de alta frutose, conservantes, aroma artificial ou cor artificial;
  • Refrigerantes diet em geral podem aumentar drasticamente o seu risco de AVC.
  • Eu acredito que o aspartame é, de longe, o mais perigoso adoçante artificial no mercado.

A Deficiência de vitamina D pode aumentar o risco de AVC  De acordo com a pesquisa apresentada na American Heart Association (AHA) Sessões Científicas Anuais em Chicago, IL em novembro do ano passado, os baixos níveis de vitamina D, nutriente essencial obtido a partir da exposição à luz solar, duplica o risco de acidente vascular cerebral em caucasianos. A vitamina D é o único substrato conhecido por um potente efeito pleiotrópico (o que significa que produz múltiplos efeitos), reparação e manutenção de hormônios esteróides que servem a várias funções na gene-regulação em seu corpo. Além de aumentar o risco de rigidez arterial, um fator de risco para acidente vascular cerebral, a deficiência de vitamina D é conhecido por: – Aumentar o risco de diabetes em 50 por cento; – Diminuir a função pulmonar; – Aumentar o risco de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). De acordo com o Stroke National Association, até 80 por cento de casos de AVC são evitáveis. Muitos dos mesmos fatores de risco que aumentam o risco de doenças do coração também aumentam o risco de acidente vascular cerebral, e estas incluem fatores como: – Pressão alta; – Obesidade; – Níveis elevados de triglicérides e níveis elevados de homocisteína; – Os baixos níveis de HDL (bom colesterol) e de alta de LDL (mau colesterol); – Fumar;                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     – Doenças cardíacas,  tais como doença arterial coronariana, valvulopatias, batimento cardíaco irregular (fibrilação atrial) e alargamento de uma das câmaras do coração.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   – Sinais de alerta ou história de TIA (Ataque Isquêmico Transitório), ou AVC, ou ainda infarto.                                                                                                                                                   – Diabetes Fatores de risco adicionais que podem ter um impacto direto sobre o seu risco de AVC são: – Aflição psicológica ou choque emocional. – Terapia de reposição hormonal (TRH) e pílulas anticoncepcionais. – – – Comer carnes defumadas, ou grelhadas    Terapia com Suplementos; Nota: Não há trabalhos conclusivos sobre o uso de Suplementos  para o AVC  . As terapias integrativas listadas abaixo foram investigadas para uso nos quadros de AVC em geral, mas devem ser usadas somente sob a supervisão de um profissional de saúde qualificado, lembrando que a melhor associação é a obtida através da análise individual associada aos dados clínicos e exames complementares . Os pacientes devem sempre consultar um profissional de saúde qualificado antes de iniciar o tratamento, ou medidas preventivas. Já a vitamina B3 ou niacina, pode ajudar a melhorar a função neurológica diretamente após um acidente vascular cerebral, entre outros fatores por aumentar o colestertol bom e diminuir o ruim. Uma outra forma de tratamento para a reabilitação de AVC agudo seria a oxigenoterapia hiperbárica (OHB)  Por outro lado, a Coenzima Q10 mostrou uma recuperação excepcional em vários grupos de estudos. – Outro estudo revelou um aumento significativo do risco relativo de doença isquêmica do coração e acidente vascular cerebral em inicialmente baixos níveis plasmáticos de caroteno (<0,23 mmol / l) e / ou vitamina C (<22,7 mmol / l), independentemente da vitamina E e dos fatores de risco cardiovascular clássicos. Os baixos níveis de ambos caroteno e vitamina C aumentar ainda mais o risco, no caso de acidente vascular cerebral.

  • Demais Tratamentos (Acupuntura e Homeopatia)
 Existem inúmeros relatos clínicos e dados científicos de melhora da evolução de quadros de AVC através da associação da homeopatia e acupuntura,  devendo ser usadas somente sob a supervisão, e/ou consulta de um profissional de saúde qualificado.

Claro que essas e demais possibilidades devem antes ser checadas através de dados clínicos, anamnese completa, além de exames complementares, podendo incluir o eletro-escaneamento, microscopia e a bioressonância, para termos certeza das melhores opções terapêuticas. E também sem nos esquecermos dos fatores predisponentes, ou desencadeantes que levaram a este quadro clínico, o que pode requerer o acompanhamento de especialistas.

  Referências:

http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2011/10/10/3-foods-that-can-trigger-a-stroke.aspx (acessado em 12/11/2012) http://articles.mercola.com/sites/articles/archive/2010/03/20/vitamin-b3-shows-early-promise-in-treatment-of-stroke.aspx (acessado em 12/11/2012) http://orthomolecular.org/library/jom/1998/pdf/1998-v13n02-p105.pdf (acessado em 12/11/2012) http://www.ninds.nih.gov/disorders/stroke/preventing_stroke.htm (acessado em 12/11/2012) The clinical investigatorJanuary 1993, Volume 71, Issue 1, pp 3-6