Lesões por Esforços Repetitivos e Doenças Relacionadas ao Trabalho

07 jun Lesões por Esforços Repetitivos e Doenças Relacionadas ao Trabalho

Lesão por esforço repetitivo (DORT-LER ), ou “Doença Ocupacional Relacionada ao Trabalho”  

Definição: 

É uma lesão dos sistemas músculo-esquelético e nervoso que podem ser causadas por tarefas repetitivas, esforços vigorosos, vibrações, compressão mecânica e más posturas. 

O termo “lesão por esforço repetitivo” foi associada com a má postura, a síndrome do túnel do carpo (STS), síndrome do túnel cubital, síndrome do desfiladeiro torácico, síndrome DeQuervain, tenossinovite estenosante, síndrome de interseção, cotovelo do golfista (epicondylosis medial), cotovelo de tenista (epicondylosis lateral), e distonia focal, entre outros.  

Exemplos de situações Predisponenetes:

  • Trabalho na frente dos computadores, 
  • Dirigir, 
  • Viajar, 
  • Ler ou fazer tarefas por longos períodos de tempo, em posição anti-ergonômica. 
  • Dormir em uma cama/colchão inadequados, ou sentar-se em uma poltrona ruim e/ou em uma posição desconfortável. 
  • Transportar objetos pesados. 
  • Segurar um telefone, entre pescoço e ombro. 
  • Assistir TV em posição incorreta por exemplo. 
  • Dormir com a cabeça para a frente, durante a viagem. 
  • Uso prolongado das mãos, pulsos, costas, pescoço, etc 
  • Sentar na mesma posição durante um longo período de tempo. 
  • Usar travesseiro alto, ou incorreto 

Tratamentos: 

Ergonomia, postural (ver posturologia)

Psicológicos: 

Tobias Lundgren e Joanne Dahl reivindicam maior sucesso de estratégias de ensino aos pacientes  para aceitarem a dor. 

[14] Outros estudo afirmam que os principais fatores de risco para a STC foram “ser uma mulher na idade da menopausa, a obesidade ou a falta de exercícios, ou o diabetes, osteoartrite da articulação carpometacarpiana do polegar, tabagismo e até ingestão de álcool entre outros”. 

[18] A Teoria da Comporta, afirma que, quando estamos preocupados com uma parte específica do corpo, o cérebro pode realmente sinalizar para a medula espinhal (neurônios via de saída). 

[19] Em pacientes com dor crônica, o cérebro pode acionar automaticamente a dor sempre que o membro é movido, como um mecanismo de defesa para impedir o movimento, o que pode gerar ansiedade e preocupação. 

 [21] Os psicólogos acusam essa preocupação ou ansiedade como parte principal da doença. (Isso é comumente visto em doenças psicossomáticas. [22]) 

 [4] casos psicossomáticos: 

Alguns médicos e pesquisadores acreditam que o estresse é a causa principal, ao invés de ser apenas mais um fator que contribui, como afirma o Dr. John E. Sarno, Professor de Medicina de Reabilitação do New York University Medical School, ao considerar o DORT-LER, como sendo muitas vezes a manifestação da síndrome de tensão, ou miosite, um distúrbio psicogênico em que o estresse faz com que o sistema nervoso autônomo se desregule, gerando redução do fluxo sangüíneo para os músculos, causando dor e fraqueza. 

[23]As DORT-LER tem muitas características de conhecidos distúrbios psicossomáticos  

Doenças psicossomáticas geralmente apresentam sintomas cujas origens não são verificáveis, mas que parecem consistentes com o surgimento do período de tempo de processos físicos. 

Tratamentos:

  • O uso das terapias complementares é fundamental nessas situações por tratar o indivíduo por inteiro, tanto psíquicamente, quanto fisicamente. Uso a bioressonância, ou BDORT como medidas complementares para estabelecerem a verdadeira origem, ou fator desencadeante, ou agravante principal, além de orientar para a melhor forma, ou outras modalidades de tratamento em situações crônicas. 
  • Terapia com Suplementos; 
  • Acupuntura;
  • Homeopatia

Existem inúmeros relatos clínicos e dados científicos de melhora da evolução de Lesões por Esforços Repetitivos e Doenças Relacionadas ao Trabalho através da associação da homeopatia e acupuntura,  devendo ser usadas somente sob a supervisão, e/ou consulta de um profissional de saúde qualificado.  

 

Referências 

http://en.wikipedia.org/wiki/Repetitive_strain_injury acessado em 7-6-2012 (as numerações estão de acordo com esta referência)